Buscar

Banalizaram o Patê


Porém, o que eu quero aqui não é desvalorizar esse mistério, pelo contrário, é devolver o valor misterioso que a gastronomia lhe retirou depois de tanta contribuição, principalmente a nós, homens solteiros e desajeitados.

Pois sim, estou pronto para revelar os segredos da minha cozinha. Não sei se a crítica está pronta pra se decepcionar… fazer patê é uma arte!

Há um mês atrás aprendi a fazer patê. Pra mim, o maior mistério da arte culinária. Patê. “Mas porque o patê e não a cuisine bourgeoise da França?” porque eu nunca ouvi falar e não tenho a menor idéia do que isso seja, além do que, patê é barato e incrivelmente fácil de preparar (e misterioso).

Venha comigo nessa literal ‘viagem’ e logo você será o maior Patezeiro do mundo. Comece indo ao supermercado mais próximo, ou o de sua preferência, de preferência o mais próximo, e compre um frasco de maionese. Depois de pagá-lo, volte ao mesmo supermercado para comprar o que você se esqueceu… (foi assim que eu fiz, deu certo, é um mistério). Compre outro frasco de qualquer outra coisa que você gostaria de ter no seu patê, pois o que você quer ter é Patê e não Pavê (belíssimo trocadilho!).

Porém, você deve entender: quer patê de atum, compre um frasco de atum. Quer patê de frango, compre um frasco de frango(?!?!), e assim respectivamente.

Devo observar que depois de comprados os frascos, voltar pra casa é fundamental.

Volte e coloque os frascos sobre a mesa. Arrume-os preferencialmente de modo que a ordem seja irrelevante. Desorganize a mesa. Faça parecer que aquela ‘zona’ é tua ordem, e que essa ordem é crucial para a obtenção do ponto certo do patê. Será um mistério.

Por fim, misture a maionese com o que você comprou.

Está pronto o patê.

E bon appetit!!!